;

Antônio Hélio Cabral

Antônio Hélio Cabral

Antonio Hélio Cabral nasce em outubro de 1948, na cidade de Marília, SP. Em 1951 sua família muda-se para Echaporã, “lugar bonito” (tupi), o que marca para Cabral, o início de sua atividade artística. Lá, Cabral produz com restos e objetos de fundo de quintal, bonecos lúdicos que pertencem ao maravilhoso infantil, que se amplia no épico e no cômico do cinema de bang-bang, aventura e chanchada.

No ano de 1956, já em São Paulo frequenta cursos de desenho na Biblioteca Infantil Monteiro Lobato. No início da década de 60, frequenta a oficina de Fausto Boghi, com quem aprende técnicas de cinzel, realizando relevos em cobre. Cursa arquitetura na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo – USP, entre 1970 e 1974. Em 1973, leciona desenho no Arstudium, em São Paulo. A partir da metade da década de 1970, frequenta sessões de modelo vivo no Ateliê de Antônio Carelli e estuda modelagem e fundição em gesso no ateliê de Raphael Galvez. Entre 1974 e 1984, atua como professor e coordenador dos ateliês de arte do Museu Lasar Segall e, de 1981 a 1984, leciona desenho e pintura na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Em 1995, a editora da Universidade de São Paulo lança o livro Hélio Cabral, sobre sua trajetória artística, de autoria de Leon Kossovitch.

Cabral dedica-se principalmente à pintura, mas trabalha também com desenho, gravura e escultura. Em sua produção, busca ampliar questões levantadas pelo expressionismo e também pelas obras dos pintores Francis Bacon (1909-1992) e Willem de Kooning (1904-1997). Realiza um jogo de construção e desconstrução da figura, criada com base em traços coloridos, como em Figura Vermelha (1986). Em telas de 1988 apresenta figuras femininas sensuais, realizadas por meio de traços irregulares e manchas de cor. Os planos de fundo apresentam grande vibração cromática, dada pelo ritmo das pinceladas, como ocorre em Violeta ou em Figuras Horizontais. Utiliza frequentemente cores mescladas e cambiantes. Suas obras, muitas vezes, escondem a trama ora no humor, ora na brutalidade.